14 de nov de 2011

Buenos Aires #3 - parte III - o basicão

Chegamos à cidade umas 3 da tarde, um horário que considero super bom pras crianças, todo mundo acordado, todo mundo descansado (afinal,colo da mamãe serve pra quê, né!) e pronto pra começar a aventura...

Tinhamos um transfer nos esperando, e isso foi um diferencial, porque por malas, carrinho e todo mundo junto na mesma van é realmente um problema a menos. Não fizemos câmbio no Aeroporto, pois já tinhamos pesos para os primeiros dias, mas lá no próprio aeroporto já dá pra trocar uns pesos...

O aeroporto é superpertinho de onde era o hotel, menos de 10 minutos e já estávamos no lobby. O Hotel foi realmente a melhor das dicas que eu peguei, novo, confortável e ao mesmo tempo pequeno e aconchegante.

Chegamos e fomos nos instalar, preferimos desfazer as malas e arrumar as coisas pra só depois sairmos para o jantar...

Depois de todo mundo de banho tomado e coisas minimanente ajeitadas, fomos dar uma volta pelas redondezas de Palermo, mas o vento frio estava intenso e logo resolvemos achar um lugar para jantar.  Por indicação do blog Destemperadinhos, fomos jantar bem pertinho do hotel, no La Gauchita.

Confesso que esperava mais, não sei se por estar com duas crianças pequenas e o ambiente ser meio cool, não fomos tão bem atendidos como o pessoal do site descreveu. Mas valeu pra primeira refeição em solo portenho.

O dia seguinte foi de City Tour, que optamos por fazer logo no começo e assim já matar as atrações mais "pega turistas" de uma vez. A coisa boa é que como éramos muitos (oi??), 4 adultos e 2 crianças, o City foi só pra nós... particular!!! Tivemos direito à parada no centro com ida ao Banco (!!) e além da visita ao Caminito, fomos também à Bombonera, com visita por dentro e tudo mais... O fim do passeio, ao meio-dia, foi a Rua Florida/Galerias Pacífico, para o almoço e depois compras...

O quê foi ruim?

 - Eu e o Gui enjoamos na van... então todo o passeio foi um pequeno martírio;
 - Por quê o povo estava tão fixado na história do câmbio e de tentar tirar dinheiro usando a rede Cirrus, perdemos o encanto do passeio ao centro, porque tudo fico restrito às tentativas frustradas de tirar dinheiro...
 - Esquecemos nosso dinheiro (pra trocar) no hotel e com isso a ida à Florida teve de ser feita novamente.
 - O almoço nas Galerias Pacífico, com duas crianças famintas e uma praça de alimentação cheia de gente foi praticamente uma prova olímpica.

O quê foi bom?

- Um dia lindo de sol na cidade, que fez nosso passeio ser muito prazeiroso;
- A nossa guia linda, que foi uma fofa aguentando todas as maluquices da familia trapo e com toda a paciência do mundo!!!
 - A cidade que continua LINDA!!!!

7 de nov de 2011

Buenos Aires #3 - parte II - A ida

Como compramos tudo junto, as passagens de todos estavam num só documento (papelzinho da Gol, pra ser mais específica!) e com isso o check in deveria (tá, poderia, melhor seria...) ser feito com todo mundo junto. E daí já começou a m...!!!!

Nós somos preferenciais, afinal duas crianças, sendo uma de colo, os sogros também, maiores de 65... mas a fila dos preferenciais era a maior do aeroporto! Chegamos antes, amargamos uma fila com duas crianças irritadas e com sono, e os sogros não chegavam nunca... Nossa vez chegou e nada deles, chegaram e foram pro outro lado do aeroporto... (sem comentários!!) Correram, aportaram com malas e cuias na nossa traseira para o desespero de quem já estava na fila há muito tempo...

Saímos de Brasília e o vôo foi tudo bem, chegamos em São Paulo com tempo para um rápido almoço e novamente check in, mas as idas ao banheiro e o "fumar" do meu sogro tomaram tanto tempo que tivemos que engolir uma pizza no Pizza Hut que mal deu pra sentir o gosto... Corre de novo pro embarque e ai, começa a saga!!!!

Todos sabem que em vôos internacionais não é mais possível embarcar com líquidos acima de 30ml... sim, ela também sabia, mas ESQUECEU... Me vinha ela com uma bolsinha de mão, cheia de shampoos, cremes, espuma de barbear, etc... que claro, ficaram ali mesmo no Raio X. Confusão na certa, e foi um bate boca sem fim com o moço do embarque.

Além disso, tem o marca-passo... Sim, ela usa marca-passo e fica tensa/nervosa/stressada cada vez que chega perto de um raio x!!!! Mais chateação com a "revista íntima" e enfim, conseguimos sentar na sala de embarque e esperar o avião... Uma passadinha no Freeshop pra ver os preços e seguimos para "Buzenos Aires" como dizia Gui, incansável na fila do embarque...

A viagem foi boa, as crianças não deram trabalho. Conseguimos nos dividir em duas fileiras de cadeiras e com isso o Gui conseguiu se esticar e dormir boa parte da viagem... A Ciça depois de almoçar um potinho Nestlé de Risotinho de frango, também capotou...

Os inconvenientes da ida foram um pequeno enjôo no Gui, que só percebemos ser realmente enjôo dias depois no City Tour... até então era uma dor de garganta, que só aparecia no pouso e na decolagem... E os infinitos papéis de imigração argentina, que convenhamos é super difícil de preencher com uma criança no colo e outro saltitante ao seu lado!!!!

Atropelada novamente...

Calma!!!

Não fui atropelada de verdade, mas sim, pelas verdades que teimam em aparecer na minha vida...

Nestas semanas que passaram, depois da nossa viagem, recebemos algumas notícias não muito boas, que me deixaram um pouco sem chão... Mas tudo aos poucos vai voltando ao normal...

Minha mãe fará uma cirurgia meio grande na próxima quinta-feira e isso tem me deixado bem apreensiva, é um cisto no Pâncreas e a coisa é num lugar meio delicado... Serão dias de muitos cuidados e emoções, mas se Deus quiser, vamos dar conta de tudo!

Meu pai voltou para o Rio Grande do Sul, separou da mulher, depois de 20 anos juntos e tá meio mal... mas já está tudo sob controle...

O cunhado recebeu um diagnóstico de cancer de próstata e está correndo atrás dos preparativos para uma cirurgia também...

E bati novamente o carro, terceira vez no ano!!!!

Tudo isso ao mesmo tempo agora... então estou um pouco perdida... mas já já eu retorno com os posts sobre a viagem...

Beijos,

1 de nov de 2011

Buenos Aires #3 - parte I - os preparativos

Tenho percebido que já não consigo mais escrever aqui como antes, e fazendo uma autoanálise (sim, eu faço essas coisas...) ví que é porque eu tenho lido tantas coisas legais, escritas por mães-jornalistas, que sempre fico achando que meus textos são ruins demais... (É, gente, momento mimimi... me abracem!!)

Mas como as amigas pediram o relato da viagem... eu vou colocar aqui aos poucos tá... Mas assim, galera, não esperem muita coisa, porque eu não me atenho a muitos detalhes em viagem não, ainda mais nessa que foi a minha 3ª vez em Buenos Aires, cidade que eu adoro e que já olho com olhos de moradora...hehehehe (te mete!).

Além disso, como eu viajo com o Gui e com a Ciça desde muito pequenos, não tenho também aquelas expectativas de "Viagem com as crianças", o meu lema é, eles vão onde eu for e pronto!!!!

Mas ai você pergunta, Flávia, por quê Buenos Aires de novo???

E eu respondo, porque o Marido gosta... e queria voltar... confesso que por mim, teríamos  ido pra outro lugar... tipo o Uruguai, a Costa Rica, Cancún, Curaçao... enfim, qualquer outro lugar que eu ainda não conhecesse, porque se é pra gastar dinheiro que seja pra coisas inéditas, né!!! Mas fui voto vencido...

Dai, ok, era aniversário de casamento, e viajar era uma boa, e também no fim achamos que uma cidade conhecida seria bem melhor pra ir com 2, e principalmente com a Ciça, que ainda tá no esquema papinha (que nem sempre é igual em todo lugar - minha experiência: é melhor em todos os outros lugares fora do Brasil!). Além disso, tinha o livro e o blog da Fernanda Paraguassú - Buenos Aires com crianças, que eu queria muito testar todas as dicas...

Me joguei!!!!

Íamos no feriado, já que o aniversário de casamento é dia 11/10, porém, toda a brasileirada tava viajando nessa época gente e simplesmente não achei hotel!!!! Resolvemos adiar uma semana nossa viagem, e dessa vez, o plano era ficar o final de semana em Bue, pois nunca tínhamos pego a Feira de San Telmo e da Recoleta...

Datas decididas, a sogra e o sogro resolveram ir também...(!!!!) partimos para as reservas e compras de passagem.

Consegui uma promoção da Gol pelo Facebook e com isso nossas passagens ficaram bem baratas.

O Hotel eu segui a sugestão do Livro e foi uma super escolha, ficamos no Awwa Spa & Suites, muito legal, muito novinho e muito bem localizado. E eles ainda tem a vantagem de ter cozinha equipada no quarto e ter uma suite que aceita mais uma cama de solteiro e ainda disponibilizam o berço.

Eu ia fazer a reserva pelo site, e o preço ia ficar muito legal, mas ai, meu cunhado que trabalha com turismo nos ofereceu para fazer o pacote terrestre (hotel+city tour+seguro saúde). Nos prós e contras (o seguro saúde pesou nessa hora, afinal, são duas crianças, né!), resolvemos fazer a reserva com a agência e ainda ganhar um descontinho, mas foi o barato que saiu caro, pois no final tivemos vários problemas com a reserva, coisa que acho que não aconteceria se tudo fosse feito pela internet!

Para facilitar com as crianças, a única providência foi comprar um Sling com a Marina do Las Cholitas, que foi o santo salvador das costas da mamãe e "liberador de lugar" no carrinho para quando o irmão mais velho ficasse cansado... E só! O resto foi na cara e na coragem, papinha só pra ida e fraldas só para o avião... compramos tudo quando chegamos lá...

Continua ...

20 de set de 2011

Chegando o aniversário, é exatamente assim que me sinto ultimamente...

O valioso tempo dos maduros




(Mário de Andrade)



Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora. Tenho muito mais passado do que futuro. Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas.

As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.

Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.

As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos.

Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana, que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade...

Só há que caminhar perto de coisas e pessoas de verdade.

O essencial faz a vida valer a pena.

E para mim, basta o essencial!

9 de set de 2011

O fim de uma era...

Hoje faz uma semana que acabou o meu "horário amamentante"!!! Estou sofrendo, confesso...

Esse horário de amamentação, duas horas a menos no expediente foi o respiro que eu precisava para aguentar mais um pouco a vida do jeito que ela está...

Explico:

Vocês sabem, eu não queria voltar ao trabalho, tive que fazê-lo por questões financeiras (e por pressão social, confesso!) e isso me deixou muito triste e deprê. A vida corrida como ela estava antes da chegada da Ciça já estava insuportável, e agora... com mais um ... tudo ficou ainda mais difícil... Não sei se é porque o nível de trabalho anda baixo, porque tenho tido mais tempo livre (ocioso) pra pensar na vida, mas sei que realmente ficar aqui sentada, está se tornando um grande peso...

Junto à isso, a falta de prespectivas profissionais, a vontade de fazer outra coisa que não assinar papel e verificar sistemas... tem piorado ainda mais o meu estado...

A Ciça?? (mãe egoísta!) Ela está super bem, ela adora comer, toma o peitão de manhã e à noite e tem uma legião de fãs pra brincar com ela o dia todo. Não que ela não sinta a minha falta, acho que sente sim (espero, né!!), mas ela talvez seja a menos prejudicada com tudo isso...

Por isso eu ando tão sumida, é deprê mesmo, é falta do quê falar... Ando pensativa e reclusa querendo achar uma solução pra toda essa minha tristeza, sem que isso impacte demais na minha independência emocional (financeira) e no meu casamento...

Beijos,

26 de jul de 2011

Ciça e seus 07 meses

Acordando de bom humor!

Ciça aos 07 meses é uma criança muito alegre e sorridente, tem sempre uma gracinha pra fazer, principalmente quando é o irmão quem aparece. Seu único momento de "briga" é quando a fome aperta e o prato de comida parece estar muito longe...

Diferente do irmão, não me dá nenhum trabalho pra dormir, normalmente dorme a noite toda, só acordando lá pelas 5h30 ou 06h00 da manhã para mamar, mas ai também o dia já começou!

Ganhou tantos vestidos de presente que a mamãe anda achando que ela vai crescer mais rápido do que vai ter eventos sociais para usar todas as roupinhas maravilhosas que ganhou. Adora uma fita no cabelo e fica LINDA de cor de rosa, pra desespero da mamãe que se recusou entrar na onda rosa de todas as lojas e confecções de roupas para bebês meninas!!!!

Para o orgulho da mamãe ainda está mamando no peito e nem pensa em largar, tem suas horinhas preferidas do "peitão" e não dispensa eles de jeito nenhum, mesmo depois de bater um pratão de sopa.

É uma bebêzinha muito simpática e cheia sorrisos, é cheia de fãs no meio da rua, principalmente por conta do seu "olhão" azul!!!

Enche nossa casa de alegrias desde o dia que nasceu e tá na fase mais gostosa do mundo!!!!

22 de jul de 2011

Mamãe e as férias...

Diante da impossibilidade de tirar (mais) férias, já que queimei tudo que eu tinha na Licença Maternidade, fiquei "matutando" o quê poderia fazer com meu pequeno filho energético no mês de Julho.

Como as coisas aqui na KGB andam mais paradas que a Av. Paulista em 1º de Janeiro, resolvi fazer horário corrido e sair um pouco mais cedo pra aproveitar pelo menos o fim de tarde com as crianças.

Numa tarde fomos ao Pontão, uma área à beira do lago com parquinho e muito espaço, foi diversão garantida!!! Levamos o motocão, bebemos água de côco, foi tudo de bom!!!

Outro dia, fomos a outro parquinho "público" também à beira do Lago, e dessa vez inclusive levamos baldinhos e apetrechos de areia... Era tanta felicidade que não cabia em sí. Tirei fotos, mas foram no Iphone e aqui não consigo passar pro computador...

Hoje vamos fazer um passeio no Shopping, à pedido do meu pequeno, que adora o Shopping e que vai gastar o dinheiro do seu cofrinho (juntou quase R$ 40,00!!!) na loja de brinquedos!!!!

18 de jul de 2011

Locomotiva Social

Diante dos últimos finais de semana (sei lá, acho que desde que a Ciça nasceu...heheheh), dois dias está sendo MUITO POUCO pra fazermos tudo o quê a gente quer/é convidado/precisa fazer e ainda descansar...

Este último final de semana começou na quinta-feira, com o aniversário do sogrão, em que fizemos um Happy Hour pra ele lá em casa. Na sexta a familia do "primo rico" (história pra depois) chegou do Rio e foi a vez do happy hour na casa dos sogros, que fica a quilometros de distância da minha casa, e que acabou pra lá da meia-noite. Sábado teve Feijoada e rodízio de pizza (e a dieta??!!!!) e domingo ainda teve almoço com direito à correria pra levar o "primo rico" ao aeroporto.

Foi tanta coisa, mas tanta coisa, que ontem a tarde a galerinha toda dormiu umas 3 horas a tarde e depois, no horário normal de sono já estavam todos na cama novamente...

Como diria uma amiga: essa familia é uma Locomotiva Social!!!!!

12 de jul de 2011

As crianças e a verbalização

Versão do Gui para o acidente de carro que a professora (Grazi) sofreu na semana passada (ela capotou o carro com o marido):
  - "O marido dela bateu, e ela caiu"!!!!

Quem escuta acha que rolou um episódio de violência familiar...kakakakakakakkakaka. Graças à Deus não foi nada disso e todos estão bem!!!

A tentativa da retomada

Tenho lido muitos blogs, muitos mesmo, e quando chego aqui não sei bem o quê escrever, ando achando que não tem novidades e que não há nada de muito interessante pra contar. Daí eu lembro que esse é um espaço pra mim, um espaço pro Gui e pra Ciça, e que é uma coisa pra eu ler daqui há alguns anos e tento retomar a minha escrita.

Isso tudo é resultado de um momento delicado de vida, um momentinho deprê, que consciênte ou inconscientemente eu acho que não vale à pena registrar. Quem está aqui por muito tempo, me acompanha, sabe que esse blog é muito além da maternidade, que surgiu muito antes da vontade de ser mãe, que tem MUITA história contada e que eu já passei diversas vezes por momentinhos delicados assim e que eu tinha me prometido não mais escrever lamúrias por aqui... Mas eu resolvi que não posso ficar calada por isso e deixar o blog (meu diário querido) morrer à míngua...

Então, me desculpem os poucos leitores, eu vou continuar escrevendo, lamúrias mesmo, porque nem é coisa tão séria, é só falta de grana, de perspectivas profissionais, de tempo pra mim e outras coisinhas mais... E daqui a pouco isso VAI PASSAR  e eu vou voltar a sorrir!!!!

Beijos,

15 de jun de 2011

Cinematerna, enfim nós fomos...

Olha eu aqui!!! Mais enrrolada do quê nunca, muito sem vontade e tempo de postar, tanta coisa acontecendo e eu esquecendo de vocês... (será que tem alguém ai???)

Desde a gravidez do Gui eu acompanhava o blog do Cinematerna, mas na época não tinha em Brasília e eu sonhava com o dia em que pudesse voltar ao cinema carregando meu rebento à tira-colo. O tempo passou, meu pequeno cresceu e o Cinematerna veio para os cinemas da cidade, mas ai, com a idade do Gui nós não podíamos mais participar.

Quando a Ciça nasceu eu fiquei muito felizinha de poder participar dessa vez das sessões, mas a vida já tinha um rítmo bem diferente e a Licença Maternidade foi a mais corrida da minha vida (e a última!) e com o início das sessões às 14hs, nunca consegui ir...

No dia das mães, um sábado, tinha uma sessão especial onde todo mundo (pais, filhos mais velhos, periquito, papagaios...) podia ir, resolvemos nos aventurar. Mas ai começou o meu grande erro: chamar o marido pra ir junto!

É, gente, o marido é um paizão, daqueles que brinca, que senta no chão, que dá cambalhota, mas a verdade é que ele não é lá chegado nas coisas da maternagem internética que eu participo e adoro, ele acha tudo o ó...

Daí, chegamos no Pier 21 as 10 da manhã (só Deus sabe o sacrifício que foi pra isso acontecer!) e nos deparamos com uma fila monstra! Só um caixa do cinema funcionando pro Cinematerna e sem que a distribuição de ingressos gratuitos tivesse começado.

Eu lá toda empolgada, conhecendo pessoalmente minha "ídala" Luiza (Potencial Gestante), vendo de perto as "meninas de rosa choque" que acompanho há mais de 2 anos pelo Blog e ele, RECLAMANDO HORRORES...

Conseguimos driblar a fila comprando o ingresso na maquininha do Visa, entramos e conseguimos dois lugares juntos e cada um ficou com um filho no colo. Mas lá no meião do cinema, não dava pra sair e comprar pipoca, não dava nem pra se mexer direito...

O filme começou, mas porque tinha muita gente o ar condicionado fraco (que é a proposta) tornou o ambiente insuportável. Meu filho pediu pipoca pra moça do lado e eu quase morri de vergonha.

Resultado dessa sessão:  o Gui dormiu na metade e a Ciça como uma lady mamou e dormiu também... Minha licença acabou e eu não consegui tirar essa "má impressão" do Cinematerna...

16 de mai de 2011

Do dia das Mães, das novidades e do fim das "férias"

Realmente estou tendo sérios problemas com organização desde que comecei a obra por aqui (e lá se vão mais de 6 meses!), não consigo nem com babá ter vontade me organizar para escrever aqui diariamente.

Hoje tirei a noite para ler TODOS os posts atrasados no Reader. Vejam a minha irresponsabilidade: são quase uma da manhã, posso ter uma mocinha acordando à qualquer momento, tá passando "Um lugar chamado Nothing Hill" na TV e eu estou aqui no computador. Esse é um raríssimo momento SEM SONO  da minha vida!

São tantos assuntos que vou novamente de pontinhos pra poder lembrar de tudo:

* Esse foi o meu primeiro Dia das Mães com o Gui na escola, confesso que a expectativa era enorme, queria muito ver meu filhote se "declarando" pra mim na apresentação e só de pensar já chorava. Confesso que foi meio frustrante, primeiro porque por ele ser um dos maiores (em tamanho) da turma, ficou lá atrás e não consegui ver com nitidez os gestos do meu bebêzão, segundo porque no alto de seus 2 anos e 11 meses, meu filho não conseguiu captar a importância do momento pra mim é claro e preferiu brincar de correr com os amigos quando foi proposto pela professora uma atividade com as mães. Pra completar o marido não pode ir e assim não consegui tirar nenhuma foto junto com meu filho.
É claro que eu chorei, me acabei, tirei um montão de fotos e filmei tudo (um equipamento em cada mão - Ah, se eu fosse um polvo...), mas se tivesse uma ajuda e a cooperação do filhão os registros teriam ficado bem mais legais...
Ganhei de presente um pacote de biscoitos feitos por eles na sala de aula e também um cartão, tudo lindo de morrer.
No domingo mesmo, o presente foi juntar todas as mães da familia (mãe, vó, bisa, tias, sogra, cunhada) e promovermos uma orgia gastronômica digna de uma familia mineira. Além disso, ganhei dos filhos (via papai) um lindo pingente de menininha pra fazer par com o meu menininho de ouro no pescoço.
O Gui ainda pintou um "quadro" pra cada mãe da familia, lindo de ver!!!

*A cada dia que passa me surpreendo mais com meu filho, nas coisas em que achamos que teremos mais trabalho ele vem e nos dá uma lição de simplicidade daquelas... Dessa vez foi a chupeta, item inseparável desde a viagem pra Europa no ano passado. No domingo ele ouviu meu irmão, que faz Odontologia, falar com a namorada que os dentinhos dele estavam ficando tortos por conta da chupeta, assim, sem mais nem menos ele pediu pra guardar a chupeta dizendo que ela estava "fazendo dodói" no dente dele. Desde então ele não pede pela chupeta praticamente o dia todo, só reclamando para dormir e mesmo assim, chupando em doses homeopáticas (põe e tira da boca). Acho que até o mês que vem, quando ele prometeu largar a chupeta, nem vai mais sentir falta!

* Me faltam apenas 2 semanas para o fim da licença maternidade e isso está acabando comigo. Não tenho vontade de voltar a trabalhar e o fato da Ciça estar mamando bastante, e de eu ter MUITO leitinho, me deixam muito, muito pesarosa.
Já conversei com o marido, mas a possibilidade de pedir demissão agora não existe, estamos pagando muitas coisas da obra e ainda tem a babá nova... ou seja, muita conta pra pouco salário!!!
Vou ter que me contentar com as buscas por outras possibilidades até que resolva minha vida profissional e financeira.

Bom, vou tentar vir aqui mais vezes, mas com essa coisa de "fim de férias" tô tentando resolver o máximo de coisas possíveis antes de voltar a trabalhar...

3 de mai de 2011

E o tempo tá me atropelando

Vamos de pontinhos pra ver se consigo atualizar isso aqui:

* Entrei no último período da Licença Maternidade, já com férias emendadas. A partir do dia 1º de Junho eu volto a ativa, mas confesso que isso está me deixando muito descontente, mas por umas e outras, agora não é a hora de largar tudo e tentar a sorte com outras coisas que tenho em mente. No fim, terei mais alguns meses de sacrifício, mas volto com data marcada pra sair;

* Continuamos no processo do desfralde do Gui, não tivemos mais nenhuma recaída, mas em compensação dependendo da hora e do lugar chegamos a visitar o banheiro umas 5 vezes até que o número 2 saia!!!! Uma comédia! Ando revezando com o marido pra não stressar!

* Minha princesa completa hoje 5 meses, está cada dia mais esperta. Agora já reclama de ficar no carrinho e dá os bracinhos pro Pai quando ele chega em casa.

* Também anda super "comunicativa", dando seus gritões (notem que não são gritinhos!) quando quer alguma coisa e principalmente quando quer mamar, e principalmente nas madrugadas...

* Nesta semana iniciou o processo de alimentação. É, eu sei que deveria ser amamentação exclusiva até os 06 meses, mas como eu irei trabalhar quando ela estiver completando essa "idade", tivemos que começar antes para garantir que até lá (parece tão longe!) ela já esteja se alimentando de forma mais independente.

* A babá deveria começar ontem, mas me ligou no domingo avisando que está doente, assim, preferiu começar na quarta. Espero que comece mesmo, pois também tenho o período de 1 mês pra ver se tudo fica bem comigo no trabalho...

* Essa semana está todo mundo doente por aqui, marido e filhos, é o inverno chegando e me deixando preocupada com o quê me espera nos dias mais frios do ano... Estou correndo (tentando correr, já que a grana tá curtíssima!) com as cortinas aqui de casa, pois sem cortinas, além do sol entrar pela casa nas primeiras horas da manhã, o frio também anda entrando pelas frestas das janelas.

* E falando na casa, esta semana começam a montar os armários. Graças à Deus a bagunça vai acabar por aqui!!!

Acho que deu pra vocês verem como andam as coisas por aqui.

Beijos,

19 de abr de 2011

Guilherme no País sem fraldas

Pois é, o desfralde começou por aqui há uns 05 meses, tudo muito tranquilo e sem compromissos no começo. Até pensamos que tudo ia regredir com a chegada da Ciça, mas não foi isso que aconteceu.

Primeiro veio o pedido de tirar as fraldas para dormir (é, o contrário mesmo!!!) e passamos a ter noites "sequinhas". Depois foi a fase de convencê-lo a andar sem fraldas durante o dia, e nisso entraram em cena as muitas cuecas "decoradas" para encorajar. Ir pra escola sem fraldas só aconteceu este ano, mas foi bem tranquilo, só tivemos um episódio em que ele voltou pra casa com outro short.

Só faltava tirar a fralda para o cocô e essa etapa estava bem resistente. Mas esse final de semana rompemos mais esta barreira.

Fomos à um casamento e como sempre eu levei 2 fraldas pra ele, que normalmente é mais que suficiente. No caminho da recepção ele pediu pra fazer cocô, mas não fez e usou a fralda para o xixi... Ficamos com apenas uma fralda. Chegando na casa de festa, ele pediu novamente e usou a última fralda que tinha. No fim da festa, quis ir novamente, daí o super pai, usou o poder de convencimento e finalmente nosso pequeno usou o vaso sanitário!!!

Fiquei muito feliz, não queria que meu filho sofresse com o final dessa etapa. E como sempre ele me surpreendeu.

Para facilitar as coisas, usamos vários subterfúgios, compramos um redutor de assento do McQueen, foram várias cartelas de adesivo coladas no banheiro a cada uso e a última aquisição foi um redutor de assento portátil, para as horas em que não estivermos em casa. Esse último não é barato, mas achei uma super aquisição, porque evita o contato da criança com os banheiros alheios e também vou aproveitar com a Ciça, então, valeu o custo/benefício!!!

Então é isso... agora temos apenas um bebê em casa, e um rapazinho se desenvolvendo!

12 de abr de 2011

O quê eu sou, o quê eu gostaria de ser... PARTE II

Sofro diariamente nesta fase em que estou vivendo:
          sofro por não conseguir ser a mãe completa pra nenhum dos meus dois filhos;
          sofro porque não tendo ajuda eu fico muito mal humorada o dia todo;
          sofro porque não sei como farei para voltar ao trabalho, e porque não tenho a menor perspectiva de futuro nele;

Esses e muitos outros pensamentos tem povoado a minha cabeça, por isso, peço desculpas pelo sumiço. Minha reclusão é pra tentar decidir coisinhas que quem sabe me farão sofrer menos!

O quê eu sou, o quê eu gostaria de ser...

Essa semana lí tantas postagens sobre a maternidade real que fiquei pensando muito nisso.
Foi bom conhecer as realidades e também as angústias das mães que eu leio por aqui. Sabe que não sou a única pra tanta coisa e que todas as minhas "nóias" são normais.

E essa postagem coletiva veio bem a calhar num momento em que eu tenho tanto na cabeça. Num momento em que ando pensando em que papel quero ter em casa, em como anda minha vida pessoal e profissional e principalmente, o quê eu quero pro meu futuro e, consequentemente, pro futuro dos meus filhos.

Por isso, todo esse meu silêncio. Acho que desde que criei o blog esse é o maior período que fico sem postar... Esse hiáto é simplesmente porque estou tão em conflito comigo mesma que não sei o quê escrever por aqui.

A verdade é que antes de ser mãe (e de ler tudo o quê leio por aqui) tinha poucos questionamentos quanto à mãe que gostaria de ser. Sempre tive minha mãe como modelo maior e não almejava ser nada mais (ou menos) do quê ela é pra mim. Mas ai veio o Gui e com ele a vontade de fazer tudo certo.

Eu quis ter um parto normal, mas um cisto me impediu. Na época eu não imaginava o quê era uma maternidade ativa, não tinha idéia de que poderia forçar mais a barra pra tentar o parto normal, não sabia que o "poder" era meu.

Eu quis amamentar o Gui exclusivamente até os 6 meses, mas um insistente "não ganho" de peso me impediu disso. Dei fórmula desde o primeiro dia de vida dele, no copinho, com sonda, na mamadeira, de todas as mais sofridas formas e nenhuma delas impediu que meu pequeno ignorasse o peito solenemente exatamente na mesma semana em que completou a "maioridade" da amamentação.

Eu nunca pensei nas papinhas, em como eu queria fazer, com sal, sem sal, orgânica ou não. Comprei papinhas industrializadas e não tive culpa nenhuma, afinal, meu guri comia bem demais. Não dava bola pra quantidade de sódio ou pros outros conservantes. Mais por uma questão financeira que de saúde, optei pelas papinhas feitas em casa e congeladas para o fim de semana.

Não tive culpa nenhuma de deixar o meu bebê com a babá na sua primeira semana sem mim. Tudo foi uma conspiração do universo, porque "tive" que deixá-lo por motivos de força maior, mas tudo foi tão certo e a babá era muito boa.

Sofri quando todo meu "esquema" em casa deu errado e perdi no mesmo mês, empregada e babá, e resolvi colocar o Gui na escola. Depois sofri mais quando descobri a gravidez da Ciça, achando que meu pequeno ainda era muito pequeno pra perder o posto.

27 de mar de 2011

A falta que ela me faz...

Daí que eu tinha uma empregada maravilhosa muito boa, porque todo mundo tem defeitos, desde antes do Gui nascer, e que estava mega mal acostumada com as mordomias aqui em casa. Era daquelas que não precisava mandar, ela tomava conta da minha casa como se fosse dela.

No ano passado ela resolveu nos deixar, eu contei aqui, e desde então tenho procurado uma substituta à altura.

Passamos 4 meses com uma, que era muito paciente e boazinha com o Gui, me ajudou na mudança e ficou conosco enquanto estávamos na minha mãe, assim que voltamos pra casa e o serviço apertou (porque lá ela não cozinhava, por exemplo) ela pediu pra ir embora. Falou que o marido tinha trocado de turno e que não teria com quem deixar os filhos, mas sinceramente duvido disso.

Ela mesma me arranjou sua substituta, uma prima/mulher de um primo, sei lá. A moça era até bem intensionada, mas não sabia NADA de cozinha e eu, na minha função matinal de mãe, ainda tinha que ficar me desdobrando em mil pra ensinar a cozinhar e à fazer as coisas ao meu gosto.

Acontece que, na semana retrasada a mulher disse que chegaria mais tarde na quinta-feira pois iria dormir na fila do hospital para tentar marcar uma cirurgia para a filha, que tem um problema sério de visão. Claro que não me opus e já imaginei que a quinta-feira seria solitária, tamanha é a burocracia nos hospitais públicos...

Só que a quinta passou, a sexta, o sábado e a outra semana todinha e ela não deu mais sinal de vida! Me deixou na mão, com duas crianças pequenas, tendo que cozinhar, lavar e passar e ainda cuidar da galera. Não ligou, não atende o telefone. Deixou suas roupas aqui, sua carteira de trabalho e levou consigo a chave da minha casa!

Além de ter ficado muito, muito P da vida, fiquei preocupada com o quê essa pessoa pode estar "tramando". Resolvemos trocar as fechaduras da casa e também alertar ao condomínio, afinal, nunca se sabe.

Com tudo isso, minhas duas últimas semanas foram enlouquecedoras, com milhões de roupas para lavar e passar e à procura de uma nova ajudante, que graças à Deus, consegui no final desta semana.

Agora é rezar pra que essa não me abandone e que dê minimamente certo.

16 de mar de 2011

Pierrôs e colombinas

(ATENÇÃO: Post longo!)

Passamos o Carnaval no Rio, mas foi uma viagem tão punk que nem pareceu feriado.

Saímos de Brasília no sábado e já pegamos um atraso de 1 hora e meia no vôo de ida, daí haja criatividade para segurar a ansiedade de um menininho de 2 anos e 9 meses!!! O vôo era as 11, com o atraso passou pra 12:30, saiu às 12:50, chegamos ao Rio quase 3, sem almoço...

Choveu o Carnaval todo na Cidade Maravilhosa, demoramos mais uma hora e tanto pra chegar no "fim do mundo do Recreio" onde mora a familia do marido. Chegamos lá e já inauguramos o primeiro de muitos churrascos nesses dias... (eles tem uma fixação por assar carne!).

 Os "trabalhos" foram tão intensos que resolvemos dormir lá mesmo (ficamos hospedados num ap da familia na Barra) e no dia seguinte partir pro nosso "lar carioca".

Não levamos nem cadeirinha, nem carrinho e bebê conforto, pois o "Primo rico carioca", por ter um filho de 1 mês e meio, nos emprestou tudo. Nos emprestou também o ap e um carro, que descobrimos não poder ser guiado pelo marido (enorme!) + cadeirinha + bebê conforto. Resultado: EUZINHA tive que dirigir no Rio!!! Pausa pra explicação - Eu nunca tinha dirigido em outra cidade além de Brasília, que tem um trânsito muito mais tranquilo e civilizado, sintam o pânico e desespero dessa que vos escreve quando constatou que só ela poderia dirigir???!!!!! - despausa. Com isso, meus planos de passear pela cidade foram por água a baixo e ficamos restritos no circuito Barra-Recreio todos os dias...

Por culpa do ar condicionado siberiano do aeroporto de Brasília a Ciça ficou doente, com uma tosse muito forte e desesperadora, tentamos de tudo (todas as receitas caseiras e simpatias) mas precisamos levá-la ao médico na terça de carnaval. A sorte é que o Rio é metrópole e tem até clínica pediatrica 24 horas dentro do Shopping! Só que com isso, o único passeio que ainda nos restava no circuito já citado - Shopping -  não pode ser feito, porque apesar de chovendo, estava quente no Rio e entrar e sair de ambientes altamente refrigerados (como eles gostam) não era muito bom pra Cecília.

Além disso, o Gui foi pra lá com Otite viral, tomando remédio pra dor e ainda com resquícios de tosse...

Daí em diante, foi só ralação. A família fazendo mil churrascos ao ar livre - chuva/vento/sereno e eu tendo que ficar com as duas crianças dentro de casa (a.k.: sozinha!) enquanto o resto do povo se divertia lá fora (incluindo o marido). A sorte é que, pelo menos o "primo rico carioca" tem TV a cabo em toda e qualquer aparelho da casa. E viva Discovery Kids!!!!!

Sim, deu praia, na quarta-feira de cinzas o tempo abriu pela manhã e o marido pode ir com o pequeno à praia e à piscina do conds, na quinta até eu fui à praia dar um mergulho entregar pro mar todas as urucas desse início de ano...

E então foi assim, até domingo, praia/piscina pela manhã, churras nas tardes (ou não, teve dia que não rolou), muita tv a cabo e só!

Na volta ainda atrasamos para sair do "fim do mundo" e quase perdemos o avião. Quase mesmo, chegamos ao balcão com o embarque já encerrado e só conseguimos seguir viagem pela benevolência do pessoal da TAM. Um stress tão grande (imaginem correr o aeroporto inteiro com duas crianças à tira colo!) que no avião eu desabei a chorar (quem me conhece, sabe que eu odeio atrasos/correrias em viagens de avião).

Quando chegamos em casa, eu só pensava no tanto que tudo é bom no meu quadradinho...

E agora, pergunto, quando será mesmo o próximo feriado????

Beijos,

1 de mar de 2011

A excluída (ou seria a Rejeitada?)

Todo mundo me pergunta como está a reação do Guilherme em relação à Cecília e minha resposta padrão até hoje tem sido sempre a mesma: ele tem muito carinho com a irmãzinha, dá muitos beijos e faz muito carinho. Adora estar com ela e não tem nenhuma reação "adversa" em momento nenhum. Conosco é que a coisa ficou um pouco mais complicada, uma vez que ele começou a desobedecer mais, fazer mais birra e ser mais chorão. Mas achamos que,além do ciúme pela chegada da irmã, também existe o comportamento da idade (os falados "terrible twos").

Mas há algumas semanas eu venho notando um comportamento que tem me deixado bem chateada. Sei que não é culpa dele, que ele é a principal vítima, mas não posso dizer que não dói.

Desde que a Cecília nasceu, o pai ficou muito mais encarregado das tarefas do Gui, porque na maioria do tempo estou amamentando (e como a Ciça mama!), com isso, um laço que já era forte ficou fortíssimo e eu, eu fui colocada para escanteio...

Tudo hoje em dia é o papai, vai comer, tem que ser o papai, vai tomar banho, é com o papai, vai brincar, é com o papai. A mamãe só serve quando o papai não está e mesmo assim, tem que ouvir horas a fio as afirmações do pequeno de que "quer o papai"!

Até ai, tudo bem, é tudo normal, porém, na semana passada, quando ele se machucou, só chamou e aceitou o papai. Dai que meu coração começou a doer, porque a gente (eu pelo menos) sempre acha que na hora do aperto só serve a mamãe, e é nessa hora que nossa veia animal (leoa, mesmo) aparece com maior furor. Pegar a cria no colo e proteger das mazelas do mundo, como se ele ainda estivesse dentro de nós, é tudo que sabemos fazer.

Imaginem o meu desespero, vendo meu pequeno machucado, e essa semana doente (com acessos de tosse) e não aceitando nem mesmo que eu chegasse perto... Doeu, doeu muito!

Eu nem ia escrever isso aqui, porque sei que é uma fase e que tudo isso vai passar, mas essa coisa tá me sufocando e como conversar com o marido não adiantou (porque ele acha que é drama meu), precisava de algum lugar pra desabafar...

Só espero que tudo isso passe logo, porque essa parte do contrato (as letras pequenininhas) de mãe eu não estava/estou preparada pra enfrentar! Ainda bem que ainda tenho a Ciça que me vê como peça insubstituível de sua pequena rotina.

24 de fev de 2011

À procura do impossível

Pois é, ando à procura do impossível! Sim, ando procurando uma babá.

Mas eu não queria uma babá qualquer, eu queria uma babá perfeita, daquelas profissionais, que não sacaneiam a gente, que trata nossos filhos como seus, que é disponível pra me acompanhar e que possa dormir quando eu precisar, que não fosse tosca nem burra. Acho que eu queria mesmo era uma babá igual aquela das novelas, do Manuel Carlos de preferência!

Tudo bem que se fosse pelo meu desejo essa pessoa deveria ser mais que uma empregada, pois meus horários são totalmente impossíveis. Na realidade, precisaria de alguém que chegasse às 7 e fosse embora as 20!!! Impossível eu sei, não quero ninguém escravo na minha casa, mas essa é a minha real necessidade! Como assim não dá, vou tentando horários alternativos para adaptar a casa aos horários do staff e do nosso.

Fiz entrevista com duas, uma eu não gostei a outra parece boa, mas quer além do quê eu posso pagar (e veja bem, o quê eu estou oferecendo já é além do quê eu posso pagar!). Fico esperando (e rezando toda noite) me aparecer algum anjo caído do Céu que vai resolver meu problema. Porque até agora nada me agrada e o tempo está passando!

Queria ser outra pessoa e não precisar de ajuda nesse sentido, mas ví que pra minha sanidade mental eu preciso ter um tempo pra mim e preciso de ajuda nos momentos de "embate" com o pequeno (banho, almoço, dormir) que me stressam e a ele também. Sei o quanto é ruim ter muita gente em casa, estranhos se metendo na nossa vida, mas é um mal necessário, pelo menos por enquanto.

Preciso arrumar, principalmente, alguém de muita confiança, para que eu possa ir trabalhar e deixar meus pequenos com toda a segurança nas mãos dessa pessoa, sem dúvidas e receios. Tá difícil, viu!!! Não ando confiando em ninguém.

Caso vocês tenham indicação de alguém, por favor, me falem!!!!

20 de fev de 2011

Minha Princesinha - Yes, nós temos dobrinhas!!!!

Sexta-feira fomos ao pediatra levar a Cecília pra a consulta mensal e mais uma vez ficamos muito satisfeitos com o resultado de tanta tranquilidade na criação da minha princesa.

Ela está pesando 5.415 quilos e medindo 60 centímetros, tudo SUPER dentro do normal.

Como com o Gui tudo foi muito difícil e passei os 4 primeiros meses sofrendo com a tal curva de peso, eu esperava algum sofrimento dessa vez também, mas não foi o quê aconteceu. Minha pequena ganha peso normalmente, mama bem, está saudável, não precisa de complementos e cresce do jeitinho que tem que ser.

Nossa única preocupação no momento (que nem é preocupação mesmo!) é o intervalo entre os "cocôs" que estão entre 4 e 5 dias, mas também quando sai, sai tudo normalíssimo...heheheheh

O resultado de tudo isso é uma criança sorridente e tranquilinha, como deve ser!!!

16 de fev de 2011

Gui - Wolverine e outras coisinhas mais

Daí que na segunda-feira ainda tivemos que carregar muito o pequeno no colo, porque o pé doía muito. O pai ficou em casa pra me dar um help, porque carregar dois é punk demais pra mim...hehehehe

Na terça o meu pequeno já "engatinhava" pela casa e usava o Plasmacar pra se locomover pela "residença", e no fim do dia já estava correndo pela casa na ponta dos pés pra não pisar no dodói!

Hoje o molequinho correu e pulou o dia todo. Já está "sarado" como ele diz! 

Amanhã eu resolvi que ele vai pra escola, vamos arranjar um jeito de calçar um sapato nele (que é o mais difícil disso tudo!) e levá-lo para aula porque o coitadinho já tá cheio de tédio dentro de casa.

Falando em escola, hoje recebi uma ligação da escola perguntando porquê o Gui não estava indo à aula. Gostei! Afinal, vai que ele tivesse matando aula, né!!! Falando sério, fiquei impressionada com a atenção, afinal meu filho não é só um número pra eles. Eu já achava isso desde a adaptação no ano passado, quando todos da secretaria e do portão sabiam o nome do meu pequeno com apenas 1 semana de aula. Hoje eu confirmei.

Minha Cecilinha resolveu que quer acordar mais uma vez durante à noite, acho que é o calor que tem feito na madrugada, porque no início da noite chove e ai a gente fecha a casa toda, quando dá 2 da manhã a casa tá um forno... Com isso, eu que tava me gabando horrores das noites bem dormidas da pequena, estou morta e acabada toda manhã... Mas vai passar, nem que seja com 2 anos de idade!!!! #mãeotimista

Estou na luta com a empregada nova, tem duas semanas trabalhando aqui e já vai faltar a 2ª vez amanhã... Duro! Além disso, ela não é muito carinhosa com as crianças, é meio mal humorada... Quando dá 3 da tarde ela já pergunta se vou precisar dela, daí não sei o quê fazer, porque tenho certeza que trabalho tem, mas não consigo arranjar uma tarefa pra ela assim de última hora. Mas também, das vezes que eu pedi pra ela ficar, ela senta no sofá e vai assistir TV comigo... Ai não dá né! Prefiro que vá embora!!

O meu problema é que sou muito mole, fico com dó das pessoas. Mas acho que não vai dar certo não, ela não sabe cozinhar direito, estragou minha frigideira teflon nova e faz uma limpezinha meia-boca. Mas só vou dispensar depois que arrumar outra, antes não, chega de ser besta!

13 de fev de 2011

Mais uma que eu não queria passar...

O início de ano não tem sido muito fácil por aqui no quesito saúde, longe de reclamar da vida, apenas estou constatando que a "bruxa" resolveu passear por essas bandas.

E hoje estou me sentindo denovo como eu me senti aqui, meu menino se machucou enquanto jogava futebol com o pai, no quintal da casa dos meus sogros. Cortou o pé, um corte grande e fundo, num pedaço que cristal na grama da casa.

Me senti tão impotente e confesso que um pouco desesperada por imaginar que agora terei de dividir a minha atenção e o meu tempo, que antes seria exclusivamente dele, nesses dias que seguirão e que serão cheios de choramingos e pedidos de paparicos... Pelo menos dessa vez eu não estou sozinha e tenho meu marido pra me apoiar e nós dois para apoiarmos o nosso pequeno.

Como eu queria que isso tudo fosse mil vezes em mim do quê em qualquer um deles dois!!!!

7 de fev de 2011

A livre demanda e as tarefas longe de casa

Como o Gui mamou muito pouco e ainda tomava complementos em todas as mamadas, nós tínhamos intervalos bem determinados de "barriguinha cheia" para fazer qualquer atividade fora de casa, sem que isso se tornasse uma tortura para o pequeno.

Com a Cecília as coisas são bem diferentes, porque estou amamentando exclusivamente, uma vitória digna de um post só pra isso, e porque ela só quer ficar grudada no peito! Não tenho tanto leite como gostaria (queria doar muito), não consigo/não sei tirar leite com a bomba pra estimular mais a produção, mas não importa, se está satisfazendo minha princesa me basta!

Não sei o quê é normal, quanto tempo uma criança tem que mamar? Quantos minutos em cada peito? A partir de quê mês adotar as mamadas de 3 em 3 horas?Tudo isso é novo pra mim, é o segundo filho, porém a experiência da amamentação é completamente nova.

E como com o Gui foi tudo tão difícil, me sinto muito culpada em não deixá-la mamar o quanto e quando quiser. E ela está engordando, ganhando peso direitinho, não será por conta disso??

Mas ai, as tarefas fora de casa estão se tornando impossíveis. Às vezes não consigo coordenar as mamadas com as saídas, às vezes ela dorme demais e acorda no meio do passeio e começa a esgoelar no bebê conforto, às vezes tenho que atrasar tudo porque ela não terminou de mamar.

Sair sozinha então, nossa, que dificuldade!

E as roupas, que sempre tem que ser "amamentação friendly" e que eu já esgotei, só tenho meia dúzia de coisas...

Então que minha vida tem sido esprimida entre um intervalo de mamada e outra (mas não há padrão). Só não reclamo mais porque à noite ela dorme muito bem e não preciso deixá-la no colo por muito tempo.

A maravilha do Blog

É muito bom saber que ainda existem pessoas lendo isso aqui, que apesar de estar escrevendo pra mim, ainda tem gente que acha isso aqui interessante...hehehehe

Obrigada às mães e ao pai (Guilherme) que comentaram o meu último post, me tranquilizando sobre a situação da minha pequena.

No domingo, depois de ler todas as mensagens e ver que não era tão incomum assim, e como ela continuava sem fazer cocô, compramos o supositório, e foi tiro e queda! Duas fraldas cheias e uma criancinha bem menos stressada e uma mãe aliviada também.

Agora é rezar pra isso não voltar a acontecer!

Beijos!!!

5 de fev de 2011

7 dias sem cocô...

ATENÇÃO - ASSUNTO EXCLUSIVAMENTE INTERESSANTE PARA PAIS E MÃES!!!!!

Pois é, quem é pai e mãe, sabe o quê isso significa. Tudo bem, eu também já lí que recém-nascidos que só se alimentam de leite materno podem ficar até 7 dias sem fazer cocô, mas vamos falar a verdade, a gente nunca quer passar por isso!

Quem me conhece sabe que eu sou uma mãe "com pouquíssimas" neuras, mas uma coisa que me deixa louca é criança com prisão de ventre. E meus dois filhos pelo jeito tem esse problema. Estou apelando pra tudo, já fiz massagem, banho de imersão, estou comendo uma infinidade de Activia, cereais e fibras, até uma aguinha de ameixa eu dei pra ela... Nada até agora!!!! Cecília não faz cocô. Gente, até perdi o sono essa noite!

Falei com o pediatra e ele me indicou um supositório de glicerina, tadinha, não queria que passasse por isso... ai, ai... coisas que mãe tem que fazer...

2 de fev de 2011

E o "segundo" primeiro dia de aula

Hoje foi, efetivamente, o primeiro dia de aula do Gui no Maternal II. Eu digo efetivamente, porque ontem teve aula mas os pais ficaram com eles na sala, então não valeu, foi café-com-leite!!!

Achei que ia ter choradeira como no ano passado, mas para minha surpresa, meu garotinho cresceu e não foi só na fala que se desenvolveu não, na maturidade também.

Entrou na sala meio tenso, acho que influenciado pelo desespero de uma amiguinha novata, mas logo depois se apoderou dos brinquedos e nem nos viu ir embora. Conversou com a professora nova (quem conhece sabe o quanto ele é desconfiado!) e até aceitou fazer xixi com a auxiliar. Essas foram grandes conquistas!!!!!

Mais uma vez, acho que eu é quem estava mais apreensiva, com medo das mudanças que insistem em invadir a vidinha do meu pequeno: desde junho do ano passado foram a saída da babá e depois da empregada, nova escola, nova empregada, reforma na casa, ir morar com a vovó, ver a irmãzinha surgir e ter que dividir seu lugar, voltar pra casa, o quarto novo, novamente nova empregada...Muita coisa aconteceu e eu sei que tudo (ou quase tudo) foi por minha causa!

Como boa libriana, odeio mudanças, não mudo meu caminho diariamente, não gosto de mudar as coisas de lugar, detesto inovações... não experimento coisas novas todo dia, tenho que ser convencida de que é bom... defeitos que infelizmente eu não consigo tirar de mim. Ainda bem que tudo se ajeita e que meu pequeno é muito melhor do que eu e se adaptou a tudo muito rápido e está feliz demais!!!!

26 de jan de 2011

Tentando compensar o tempo perdido...

Nossa, me dei conta que, desde que a Cecília nasceu eu não fiz um post decente nesse blog. Uma vergonha total!!!! Mas os dias passam depressa quando se tem duas crianças e quando se está envolvida com tantas coisas... então, vamos de pontinhos:

- Voltamos pra casa e está tudo praticamente no lugar. Só não tem lugar o quê não tem como guardar, tipo livros, roupas de cama e papéis...
- Depois de um momento stress com o pessoal da vidraçaria, os dois banheiros tem box e um deles espelho. O outro não entendi porque o marido não mandou fazer, mas isso é o de menos! Agora falta apenas a película nas janelas da suite para que possamos tomar banho sem "dar show" para os vizinhos...
- Já contactei o marceneiro e acho que fizemos uma boa escolha, além disso, vou pedir também uma ajuda para a minha prima/arquiteta para pensar no desenho dos armários por dentro, pra não me arrepender depois. Ele me prometeu os primeiros esboços para a semana que vem, vamos ver se é pontual e se tem um preço real...
- Esta é a última semana de férias do Gui, infelizmente eu fiz menos coisas com ele do quê tinha planejado. Mas como temos um carro só e fiquei sem dirigir 30 dias depois do parto e depois ele pegou uma virose, ficamos mais tempo em casa. Também sem uma pessoa pra me ajudar na rua, as saídas tem que ser mais curtas, afinal ele é grandão mas ainda se comporta como um bebê em algumas situações, e contornar tudo isso sozinha, mas as horas intermináveis de amamentação, não é fácil. Mas temos nos virado!
- Falando em final das férias, o Gui não tem se mostrado muito animado pra recomeçar na escola não. Acho que teremos uma semana bem difícil lá na escola, mas pelo menos não mudam os coleguinhas, só mudam as professoras.
- A partir da semana que vem começo meu plano de estudos, espero conseguir me dedicar umas 3 horas por dia para tentar passar num concurso e assim, conseguir sair da KGB, que não tem nada mais a ver comigo.
- Semana que vem também começo a luta pela procura da babá "quase perfeita" pra ficar com a Ciça. Assim eu poderei estudar melhor e também ficar mais descansada e menos rabugenta!!!!
- A Ciça é uma fofa, dorme super bem à noite e também tira longas sonecas de manhã e à tarde. É bem segunda filha mesmo, não dá trabalho, só chora quando está com fome e mesmo assim, quando está varada de fome, senão só resmunga. Ela é bem espertinha, já deixa a cabecinha toda durinha e fica encarando a gente quanto está no colo. Também já ensaia umas risadinhas que nos deixam morrendo de amores.
Diferente do Gui, está só no leitinho materno e tem engordado bem, estou orgulhosa de mim mesma com esse lance da amamentação, uma vez que com o Gui foi tudo tão sofrido.
- O Gui não melhorou muito da "crise da irmã" e tem me esnobado bastante. Aliás, tem me ignorado totalmente, ando me sentindo muito rejeitada por ele, pra tudo é o papai e eu virei a megera chata que dá broncas e tudo mais... triste isso... Tenho trabalhado a minha cabeça, mas fico bem triste ainda...


Bom, acho que é isso... deixo pra vocês duas fotinhos dos meus anjinhos no momento mais gostoso do dia, a sonequinha...

24 de jan de 2011

A Virose

Na segunda-feira passada o Gui acordou com febre e permaneceu assim, até quarta-feira, intercalando Novalgina e Ibuprofeno de 4 em 4 horas... Eu que já andava enlouquecida com um menininho ciumento, fiquei mais doida ainda com um menino manhosinho por conta da febre.

O quadro ficou assim até quinta à noite, quando uma tosse apareceu e me deixou muito apreensiva, às 11 da noite mandei uma mensagem pro Pediatra e ele pediu que eu o levasse no dia seguinte para examinar. E ai parece Lei de Murphy, porque foi só falar com o médico o mocinho melhorou e voltou a correr pela casa. A febre continuou até o sábado, mas tudo muito mais ameno.

Com tudo isso passei uma semana hiper tensa, cansada e dormindo muito pouco. Perdemos um piquenique super legal marcado com a Paloma e quase não fomos ao aniversário da amiga/prima no domingo.

Hoje tudo está bem melhor, ele já se alimentou bem, correu de manhã no parquinho e à tarde também brincou de pular e correr debaixo do bloco.

A pequena graças à Deus não pegou nada! Santo leitinho materno!!! Mas com isso o meu pequeno, não tão pequeno mais, ficou super agarrado com o pai, e a mamãe aqui ficou carente do filhão...

Ainda estamos trabalhando nisso, porque infelizmente não posso estar com ele sempre que demanda, afinal, tenho uma mocinha pregada no peito quase que o dia todo!!!! (assunto pra outro post)

18 de jan de 2011

E os dias vão passando

É engraçado como as coisas com o segundo filho são diferentes. O bebê é mais calmo, as neuroses de mãe são bem menores e as visitas também sãouito mais escassas.
Se na gravidez do Gui eu já amarguei um esquecimento básico pelos amigos, dessa vez a coisa é bem pior. Nem as visitas de praxe nós temos recebido, se não fosse a minha irmazinha querida vir passar umas tardes aqui comigo e a minha comadre me convidando pra uns programas criança nós estaríamos totalmente sozinhos.
Ok, eu sei que a vida não é licença maternidade pra todos, mas pelo menos algum telefonema né!
Enquanto isso aqui no QG da Familia Marins temos tido um rapazinho doente, com febre, e uma menininha que vai aprendendo a dormir à noite e a mamar com intervalos maiores.

4 de jan de 2011

A louca vida da mãe de dois...

Depois de alguns dias sem conexão, tendo só o celular como ponto de ligação com a Net, retomamos o acesso... Tudo é muito complicado quando se precisa que todos os serviços sejam feitos na semana entre Natal e Ano Novo, não é mesmo?

Digo que retomei o acesso mas não tenho garantias que isso irá ocorrer da mesma forma que ocorria antes, a vida de uma mãe de 2 crianças pequenas (bebês) com apenas uma empregada e com a casa toda dentro de caixas não é nada fácil.

Tenho passado meus dias entre amamentação, intermináveis sessões de DVD infantil e a arrumação da casa. De dormir já abri mão há mais tempo então nem tá fazendo tanta falta assim. Mas coordenar o momento desfralde do mais velho com as mamadas da pequena está punk rock!

Não vou dizer que estou no melhor humor do mundo, mas estou tentando melhorar, ou pelo menos não reclamar a cada segundo da peleja que tá minha vida.

 Não tenho tido vontade de sair de casa, seja pela falta de roupas para vestir, já que todas as minhas não são apropriadas para amamentar, seja pelo medo de não dar conta de 2 no meio da rua. Porque convenhamos, em casa, se a coisa aperta eu posso deixar um andando pelado até socorrer os berros da outra, mas na rua... Não dá, né!

Minha princesa é uma fofa, só come e dorme, o problema é que come a cada hora no máximo e dorme pouco, porque claro eu não podia ter sido "sorteada" com o modelo 2011 de bebê que dorme a noite toda.

O pequeno está mais teimoso que nunca, um misto de momento revolta pela chegada da irmã e as coisas "ruins" aprendidas na escola. Está tão carente que sempre que posso estou no quarto dele vendo filmes e tentando brincar "com uma mão só" enquanto amamento.

O Natal foi bem legal, apesar da Ciça estar bem pequena nós curtimos muito. E foi muito, muito legal ver a carinha de contentamento do pequeno ao receber do Papai Noel todos (e mais alguns) presentes que pediu. Ele pediu o Buzz e a Jesse do Toy Story e nós compramos um boneco muito maneiro, igual ao do filme mesmo, que até fala! Além disso, ele ganhou um carro com um reboque e uma moto, um jogo de traves para futebol, roupa, uma colcha do Relâmpago Mcqueen, um quadriciclo do Homem Aranha, um helicóptero... tantas outras coisas...

A pequena ganhou sua primeira boneca da vovó, roupinhas, presilhas de cabelo e um lindo brinquinho de ouro... Uma mocinha! E me deixou aproveitar bastantão a noite de Natal pois dormiu muito!!!!

No Ano Novo a proposta era uma coisa bem light, porque um bebê de menos de um mês não deve ir à festas de Reveillon, não é mesmo? Mas, a familia do marido chegou de Sampa e minha sogra acabou fazendo a ceia na casa dela, mas no fim, não foi nada demais, todo mundo no auge da falta de animação, com a TV ligada no Show da Virada e à meia-noite os dois meninos choraram, ou seja, nem brinde de Feliz Ano Novo eu pude fazer!!! Foi uma passagem muita atípica, não comprei sequer uma calcinha amarela pra atrair dinheiro e nem uma roupa nova pra passar o ano, dessa vez de novo só os pensamentos mesmo, ou nem isso,já que os pedidos tem sido os mesmos há alguns anos.

Bom, esse é o resumo do último mês, o primeiro da Ciça, muitas emoções e pouco, muito pouco tempo...

Quando der eu volto!

Beijos!

  © Free Blogger Templates Blogger Theme II by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP